terça-feira, 17 de outubro de 2017

Artigo: Bicicleta - um novo olhar para o andar sob duas rodas

“Vale-bicicletas” poderia ser uma saída

Por Francisco Costa, correspondente do Blog em Macaíba

            A principal forma de deslocamento nas cidades com a urbanização e o aumento populacional é o uso de ônibus. Diariamente, as pessoas percorrem distancias enormes dentro de um coletivo como único meio de locomoção. Um serviço precário e insatisfatório. Com o passar do tempo e enfrentando novos desafios, cada vez mais constante de chegar ao trabalho ou em casa, buscou-se uma solução individual. Não houve uma politica continua de governo para se somar a outras alternativas ao uso do ônibus. Para se livrar do “nó”, o usuário resolveu optar por comprar um carro ou moto. Desta maneira, engarrafouas ruas com veículos e produziu o efeito de “gente” diferenciada dos outros. Quem usa e quem não usa transporte coletivo, serve como modelo de se ver na cidade. A seguir, mostrarei algumas vantagens para uso da bicicleta, além daquelas que as pessoas comentam em relação a saúde e ao meio ambiente. Não se pretende aqui fazer mais criticas obvias ao que já sabemos sobre o sistema de mobilidade em ônibus. Busco estimular o debate para uma mudança de mentalidade e atitude quanto ao uso racional da bicicleta.


            A engenheira de tráfego busca sempre alargar ruas, abrir novas avenidas e viadutos eassim colaborar para o aumentou do fluxo de veículos. Nos últimos anos a compra de carros e motos dispararam em todo o Brasil. Esse quadro caótico das ruas com trânsito intenso de ônibus, carros e motos, em nada funciona na mobilidade das pessoas. Só fez adiar algo que é para hoje, pois pouco traduziua modernidade e o acesso aos bens e serviços relacionados a veículos motorizados. Paralelo a isso, houve o esquecimento e o incentivo ao uso de bicicletas para o deslocamento ou auxílio de quem precisa percorrer uma longa distancia. O chamado sistema modal (usa-se dois meios de transportes para se chegar a um lugar) não foi planejado visto que no máximo, as pessoas pedalavam como prática esportiva ou lazer nos fins de semana, quase nunca para locomoção diária.

Evidente que há motivos econômicos no uso de bicicletas que estão implícitos e nem percebemos. Primeiro é a desconstrução da indústria do “carro” e do petróleo.Ter um carro é,em alguns casos, necessário, sua banalização no deslocamento é que torna esse meio de transporte um problema. Agora, pense na quantidade de dinheiro e circulação de mercadorias que estão escondidos ao comprar e “usar um carro” ou moto como transporte? Essa indústria só cresce no sistema capitalista.  Sua ampliação vai desde novos consumidores até os estacionamentos em condomínios e nas ruas da cidade. Paralelo a isso, o preço da gasolina em relaçãoa manutenção de uma bicicleta, é bem mais barato.

            A gestão de qualquer cidade renegou o planejamento de ciclofaixas. Parece que não existem pessoas que fazem uso da bicicleta para os fins acima mencionados. Gente que vai trabalhar, a escola ou ao comercio, usando uma bicicleta. Um olhar atento e se perceberá quem são os ciclistas da cidade ( sua idade, classe social, profissão...)

            Recentemente foi implementado linhas de ônibus em Macaíba. Assim, além do taxi e mototaxi, agora os bairros terão linhas que passarão regularmente. Qual o preço disso ? Será que se resolveu a questão da mobilidade? Por outro lado, pedalar cotidianamente em Macaíba é um desafio. Tem certas horas em que ninguém vai ou vem a lugar nenhum. Enfartamos as ruas com todo tipo de transporte de maneira desordenada. Como chegamos a esse ponto? Assim, disputamos com nossas bicicletas um pequeno espaço entre caminhões, ônibus, carros e motos. Depois, vem o segundo desafio: Onde estaciona-las? A carência de lugares para guardar as bicicletas é notória, basta ver a quantidade presas a postes e placas de sinalização.
       
     Para rever esse cenário de desordem no trânsito, falta de política de monilidade e projetarmos um futuro melhor, é necessário adotarmos práticas pessoais e institucionais para o uso da bicicleta. Não adianta fazer um passeio ciclístico da escola, instituição ou grupo de amigosa noite ou num domingo, enquanto continuamos durante a semana sendo imprensados ou esquecidos pelos motoristas. Uma pessoa que participa do passeio precisa adotar a bicicleta como meio de transporte cotidianamente.

Qualquer comércio ou repartição na cidade poderia ter bicicletários e atrair clientes com isso, algo simples que estimularia mais pessoas a irem com sua bicicleta para esse estabelecimento. As instituições poderiam estimular os funcionários dando o “vale-bicicleta”, uma alternativa ao vale transporte.Uma vez na semana por exemplo, o gerente pode ir a repartição usando a bike. Na área da educação, os alunos que fossem para as escolas depoderiam ganhar  pontos nas matérias se usassem a bicicleta para irem as escolas.Os professores alternaria o uso carro com uma bicicleta. Alguns lugares no Brasil já fazem isso. De imediato não veríamos resultados na mudança de comportamento das pessoas, mas a longo prazo seria percebido na cidade.

           
E pensar que Augusto Severo usava bicicleta, mas é esquecido nas horas de transito congestionado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário